sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Endémicas dos Açores #24: Azevinho (Ilex perado subsp. azorica)








Azevinho  [Ilex perado subsp. azorica (Loes.) Tutin]
Árvore dioica,  perenifólia, de média dimensão que pode atingir 8 metros de altura, com folhas brilhantes, inteiras ou escassamente serrilhadas; flores axilares, brancas; frutos (bagas) globosos, de cor a tender para vermelho vivo, na maturação.
Tipo biológico: fanerófito.
FamíliaAquifoliaceae;
Distribuição: Planta endémica dos Açores, presente em todas as ilhas do arquipélago, com excepção da ilha Graciosa. No entanto, a espécie encontra-se ameaçada na ilha de Santa Maria e está em risco de extinção na ilha do Corvo.
Ecologia/ habitat: ocorre sobretudo em florestas de laurissilva a altitudes acima de 500m,  mas pode  também encontrar-se a altitudes mais baixas (superiores a 300m) em pastagens naturais e em bosques onde aparece associada a outras espécies arbóreas, nomeadamente a árvores do incenso (Pittosporum undulatum).
(Locais e datas: Ilhas de S. Jorge e do Pico; de 23 a 30 - Julho - 2017)
(Clicando nas imagens, amplia)

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Endémicas dos Açores #23: Urze (Erica azorica)









Urze, Vassoura, ou Barba-de-mato (Erica azorica Hochst. ex Seub.)
Planta arbustiva, mas que pode atingir o porte de uma árvore com 6 ou 7 metros, permitindo-lhe rivalizar em altura com árvores como o Cedro-do-mato (Juniperus brevifolia), o Louro (Laurus azorica) ou o Azevinho (Ilex perado), com as quais compete, designadamente, no espaço das florestas naturais.
Tipo biológico: fanerófito;
Família: Ericaceae;
Distribuição: Planta endémica dos Açores, presente em todas as ilhas do arquipélago.
Ecologia: ocorre em habitats variados, desde o litoral até a altitudes próximas de 2000m. Dentre a flora nativa, a Erica azorica é uma das espécie mais comuns e, porventura, a mais conhecida em todo o arquipélago. É também considerada pioneira na ocupação de áreas, por uma razão ou outra, despidas de vegetação.
(Locais e datas: ilhas de S. Jorge e do Pico; de 22 a 29 - Julho - 2017)

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Endémicas dos Açores # 22: Tamujo (Myrsine retusa)







Tamujo (Myrsine retusa Aiton)

Arbusto de folha perene, muito ramificado com 1 a 3 metros de altura, com folhas dentadas/serradas; fruto carnudo, arroxeado, arredondado, com uma única semente.
Tipo biológico: fanerófito;
FamíliaPrimulaceae;
Distribuição: Planta endémica dos Açores, presente em todas as ilhas do arquipélago. 
Ecologia/habitat: bosques de Juniperus brevifolia (Cedro-do-mato) Laurus azorica, (Louro) Ilex perado (Azevinho) Erica azorica (Urze); sebes e encostas, desde 300 até  1000m de altitude.
(Local e datas: ilha do Pico; de 28/29/30 - Julho - 2017)
(Clicando nas imagens, amplia)

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Endémicas dos Açores #21: Louro (Laurus azorica)










Louro, LoureiroLouro-bravo, Louro-da-terra, ou Louro-de-cheiro [Laurus azorica (Seub.) Franco *]
Árvore em geral muito ramificada e com copa densa, que pode atingir até cerca de 8 metros de altura, ou eventualmente um pouco mais, mas que também pode apresentar o porte e a configuração de um qualquer arbusto de média dimensão.
Tipo biológicomesofanerófito
FamíliaLauraceae;
Distribuição: endemismo dos Açores, com presença em todas as ilhas do arquipélago.
Ecologia/habitat: ocorre, geralmente,  a altitudes acima de 500m, em locais húmidos, conquanto também possa encontrar-se em crateras, ribeiras,  bosques e matagais a altitudes um tanto inferiores.
*Sinonímia: Persea azorica Seub. (Basónimo)
(Local e data: Ilha do Pico (Açores); Julho - 2017)
(Clicando nas imagens, amplia)

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Endémicas dos Açores #20: Cedro-do-mato (Juniperus brevifolia)









 Cedro-do-matoCedro-das-ilhas, Cedro-da-terra, ou Zimbro [Juniperus brevifolia (Seub.) Antoine]
«Árvore baixa de copa alargada e geralmente de tronco retorcido (...)» (Fonte)
Tipo biológico: fanerófito;
Família: Cupressaceae
Distribuição: Endemismo dos Açores, presente em todas as ilhas do arquipélago, com excepção da  Graciosa.
Ecologia: «Árvore dominante das florestas húmidas naturais de altitude. Mais comum acima dos 500 m, mas nas Flores e no Pico desce também até à costa. Nas zonas mais húmidas o solo é frequentemente revestido por grossas camadas de Sphagnum («musgão»), criando um tipo de floresta peculiar, o zimbral com turfeira.» (Fonte)
Floração: de Março a Abril.
Uso económico: «utilização de madeira de cedro-do-mato em mobiliário e na construção de talhas decorativas em igrejas produziu peças de grande qualidade (a igreja do Colégio de Ponta Delgada tem um dos maiores conjuntos de talhas barrocas do mundo, todo ele construído em cedro-do-mato)(...)» (Fonte)
Estatuto de conservação «Espécie protegida pela Convenção de Berna e pela Directiva Habitats.» (Fonte)
(Locais e datas; ilhas de S. Jorge e do Pico; 23/30 - Julho - 2017)
Clicando nas imagens, amplia)

sábado, 7 de outubro de 2017

Endémicas dos Açores #19: Pau-branco (Picconia azorica)





Pau-branco [Picconia azorica (Tutin) Knobl.]
Árvore que pode atingir até cerca de 7 ou 8 metros de altura, não sendo, porém, difícil encontrar exemplares com porte semelhante ao de um simples arbusto.
Tipo biológico: fanerófito
Família: Oleaceae
Distribuição: planta endémica dos Açores, presente em todas as ilhas do arquipélago, com excepção da ilha Graciosa.
Ecologia: habitat disperso em bosques de  Myrica faya, (Faia-da-terra ou Samouco)  Pittosporum undulatum (Incenso) e  Erica azorica, (Urze) em encostas dispostas ao longo do litoral, a altitudes até 600m.
Floração: de Março a Junho.
Estatuto de conservação: a espécie é considerada em perigo, devido à excessiva presença de espécies invasoras; à perda e deterioração do seu habitat; ao corte excessivo de árvores para utilização da madeira especialmente em trabalhos de marcenaria. O perigo é tão real que fala-se já na forte possibilidade de, a breve trecho, vir a ocorrer o seu desaparecimento em diversas ilhas.
(Local e data: ilha de S. Jorge; 26 - Julho - 2017)
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Endémicas dos Açores #18: Hera (Hedera azorica)









 Hera (Hedera azorica Carrière)
Planta trepadora, estolhosa, com caules lenhosos, ramificados; folhas perenes, um tanto coriáceas, tanto ou mais largas que compridas, flores verde-amareladas, discretas; frutos negros, na maturação.
Tipo biológico: fanerófito; escandente;
Família:  Araliaceae;
Distribuição: Planta endémica dos Açores. Ocorre em todas as ilhas do arquipélago.
Ecologia: bosques de laurissilva e matos de incenso, geralmente a altitudes acima de 100 metros, embora também se possa encontrar a altitudes mais baixas sob a protecção de matos costeiros.
(Locais e datas: ilhas de S. Jorge e do Pico; 22 a 28 - Julho - 2017)