sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Urze-branca (Erica lusitanica)





 
 
 


Urze-branca (Erica lusitanica Rudolphi)
Arbusto muito ramificado com 0,5 a 4 m de altura; caules que, enquanto jovens, se mostram esbranquiçados com indumento denso de pêlos brancos; folhas lineares, glabras, dispostas em verticilos de 2, 3 ou 4; flores com corola campanulada, branca ou branca-rosada, agrupadas em numerosíssimas inflorescências umbeliformes que surgem no ápice de curtos ramitos laterais.
Tipo biológico: fanerófito.
Família: Ericaceae;
Distribuição: Península Ibérica e Sudoeste de França. Introduzida na Inglaterra e na Nova Zelândia. Em Portugal Continental encontra-se em grande parte do território, embora seja bastante mais rara do que a congénere Erica arborea com a qual se pode confundir. Ausente estará apenas no Minho (e em Trás-os-Montes ?).
Ecologia/habitat: barrancos; margens de cursos de água;  urzais e outros matos, em terrenos húmidos e sombrios, a altitudes até 800m.
Floração: de Dezembro a Março.
(Local e data: Verdizela - Seixal; 17 - Janeiro - 2018)

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Rosmaninho (Lavandula stoechas subsp. stoechas)

(1)

(2)

(3)

(4)

(5)
 Rosmaninho * (Lavandula stoechas L. subsp. stoechas)
Pequeno arbusto, muito aromático, com 25 a 100 cm; caules folhosos muito ramificados; folhas com tamanho mais ou menos uniforme, inteiras, com indumento esbranquiçado, de lineares a lanceoladas, com frequência com margens revolutas e nervação reticulada facilmente perceptível na página inferior; flores (com corola bilabiada, com  4 a 5 mm de diâmetro, de cor azul ou violeta muito escura na parte superior) agrupadas em inflorescências espiciformes, pedunculadas (com pedúnculo mais curto que a espiga) e formadas por verticilos com 6 a 14 flores cada um, com remate de brácteas coloridas em forma de penacho.
Tipo biológico: fanerófito; caméfito;
Família: Lamiaceae / Labiatae;
Distribuição: Região Mediterrânica e Canárias;
Em Portugal ocorre em todas as regiões do Continente.
Ecologia/habitat: clareiras de matos e bosques, em terrenos pobres, por vezes, pedregosos, preferentemente siliciosos, geralmente em locais ensolarados, a altitudes até 1700m.
Floração: de Fevereiro a Julho.
*Outros nomes comuns: Cabeçuda; Arçã;
[Locais e datas: Tunes (Algarve); 8 - Março - 2016 (fotos 1 e 5); Querença (Algarve); 11 - Março - 2016 (foto 2); Alqueva (Portel) 13 - Abril - 2015 (foto 3); e Sarzedas (Castelo Branco) 29 - Abril - 2015 (foto 4)]

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Abrótea-de-primavera (Asphodelus ramosus subsp. distalis)






Abrótea-de-primavera (Asphodelus ramosus subsp. distalis Z.Díaz & Valdés)
Erva perene, rizomatosa, glabra, com caule liso, erecto, com 50 a 160cm; folhas todas basais, dispostas de forma dística; flores hermafroditas com seis tépalas, em geral, brancas, com uma faixa central acastanhada ou púrpura, as externas ligeiramente mais estreitas que as internas, umas e outras caducas na frutificação; inflorescência em cacho composto com 3 a 10 ramos erecto-patentes simples; frutos constituídos por cápsulas frequentemente ovóides, mais estreitas na parte superior, com ápice truncado.
Tipo biológicoGeófito;
Família: Xanthorrhoeaceae;
Distribuição:  Península Ibérica, Noroeste de Marrocos e Canárias. 
Em Portugal ocorre apenas no Sul do território do Continente (Algarve; Alto e Baixo Alentejo e Estremadura). 
Ecologia/habitat: pastagens,  clareiras de matos e bosques, em solos, em geral, profundos de diversa natureza (argilosos, calcários, margosos, xistosos, quartzíticos e areníticos) a altitudes até aos 1000m. 
Floração: de Janeiro a Abril.
(Local e data: Serra da Adiça - Moura: 4 - Abril - 2017)

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Romulea bulbocodium






Romulea bulbocodium (L.) Sebast. & Mauri *
Erva perene, bulbosa (bolbo com 6 a 15 mm de diâmetro), caule muito curto antes e durante a floração, podendo, após esta, chegar a atingir até 17 cm; folhas basais (2) e caulinares (até 5) filiformes, muito mais compridas que o caule; flores (1 a 6) com tépalas coloridas em vários tons e  estilo com ramificações que ultrapassam claramente as anteras.
Tipo biológico: geófito;
Família: Iridaceae;
Distribuição:Sul da Europa; Norte de África e Sudoeste da Ásia.
Em Portugal encontra-se em todo o território do Continente. Inexistente nos arquipélagos da Madeira, e dos Açores;
Ecologia/habitat: pastagens e outros relvados; orlas e clareiras de matos e bosques, com frequência em terrenos perturbados, ácidos ou descarbonatados, a altitudes até 1200m. 
Floração: de Janeiro a Maio.
*SinonímiaCrocus bulbocodium L. (basónimo).
(Local e data: Foz do Lizandro (Ericeira - Mafra); 16 - Fevereiro - 2017)
(Clicando nas imagens, amplia)

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Luzerna (Medicago sativa)

 


 


Luzerna ou Alfafa (Medicago sativa L.)
Erva perene,  muito ramificada, com caules erectos ou ascendentes, por vezes, prostrados, com 30 a 90 cm; folhas trifoliadas, com folíolos de obovados a linear-oblongos, peciolulados, serrilhados no terço superior; flores agrupadas em cachos densos (com 5 a 40 flores) com cálice revestido por pêlos compridos e com dentes assovelados, mais compridos do que o tubo e corola (formada por estandarte, duas asas e quilha) com 7 a 11 mm, azul, violácea ou purpúrea; fruto (vagem) em espiral aberta com 2 a 3 espiras.
Tipo biológico: hemicriptófito;
Família: Fabaceae;
Distribuição: possivelmente originária das penínsulas da Anatólia e da Crimeia, encontra-se actualmente naturalizada em quase todas as regiões do globo onde foi introduzida e onde ainda é actualmente cultivada sobretudo como planta forrageira. 
Em Portugal distribui-se por todo o território do Continente e encontra-se também nos arquipélagos dos Açores e da Madeira.
Ecologia/habitat: campos cultivados e em pousio, relvados, taludes, bermas de estradas e caminhos, a altitudes até 2000m.
Floração:  pode ocorrer ao longo de quase todo ano, embora com maior intensidade de Maio a Julho.
(Local e data: Almada; 31 - Maio - 2017)

domingo, 7 de janeiro de 2018

Murbeckiella sousae







Murbeckiella sousae Rothm.
Erva perene, com caules que podem atingir até 35 cm; folhas basais (numerosas) divididas  (de penatifendidas a penatissectas); folhas caulinares (pouco numerosas) penatifendidas ou penatipartidas;  flores com pétalas brancas ou, raras vezes, rosadas; frutos relativamente compridos (3 a 6 cm).
Em Portugal ocorre uma outra espécie do mesmo género com "hábito" muito semelhante (M. boryi). Para distinguir as duas espécies o portal da SPBotânica (Flora.on) sugere que se atente: na forma das folhas basais (as da M. boryi são, em geral e ao contrário das da M. sousae, "inteiras ou só superficialmente divididas"); e no comprimento dos frutos (os  da M. boryi com 1 a 2,5 cm, são bem mais curtos que os da congénere). Um outro dado pode servir para remover eventuais dúvidas:  a M. sousae não ocorre a altitudes superiores a 1300m e, ao invés, a M. boryi só surge altitudes a partir de 1300m. 
Tipo biológico:caméfito.
Família: Brassicaceae / Cruciferae;
Distribuição: endemismo lusitano, com ocorrência limitada ao Centro e Norte de Portugal Continental.
Ecologia/habitat: fissuras de rochas siliciosas a altitudes entre 200 e 1300m.
Floração: de Março a Julho.
[Local e datas: Serra do Açor: 13 - Maio - 2013 (4 primeiras fotos); 28 - Maio 2017 (fotos restantes)]
(Clicando sobre as imagens, amplia)

sábado, 6 de janeiro de 2018

Euphorbia paniculata subsp. welwitschii

(1)

(2)

(3)

(4)

(5)

(6)

(7)
 
(8)

(9)

(10)
Euphorbia paniculata Desf. subsp. welwitschii (Boiss. & Reut.) Vicens, Molero e C.Blanché
Planta perene, glabra, com caules  herbáceos ou pouco lenhificados na base, com 4 a 8 ramos laterais férteis; folhas elípticas,  geralmente serrilhadas e truncadas na base; pleiocásio com 5 ou 6 raios; ciátio glabro, com nectários amarelos, inteiros, desprovidos de apêndices, frutos aproximadamente esféricos, glabros, e com numerosas verrugas dorsais.
Tipo biológico: caméfito;
FamíliaEuphorbiaceae:
Distribuição: Endemismo lusitano, com ocorrência circunscrita ao Ribatejo e à Estremadura.
Ecologia/habitat: clareiras de matos, em solos calcários e em locais com alguma  humidade.
Floração: de Março a Junho.
[Local e datas: Serra de Montejunto; 15 - Abril - 2014 (fotos 6,7 e 8); 1 - Abril - 2016 (fotos 5 e 10); 22 - Abril - 2017 (fotos restantes)]

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Aranhões (Illecebrum verticillatum)

(1) 

(2)

(3)

(4)

(5)

(6)

(7)

(8)
Aranhões (Illecebrum verticillatum L.)
Erva anual, multicaule, glabra,  prostrada ou ascendente, com caules filiformes, enraizantes nos nós, folhas opostas, inteiras, linear-espatuladas, ovadas ou redondas; flores dispostas em cimeiras axilares, 2 em cada nó.
Tipo biológico : terófito;
FamíliaCaryophyllaceae;
Distribuição: Oeste, Centro e Sul da Europa;  Norte de África e arquipélagos da Madeira e das Canárias. 
Em Portugal ocorre, como espécie autóctone, quer no arquipélago da Madeira, quer em todo o território do  Continente e, como espécie introduzida, está também presente no arquipélago dos Açores.
Ecologia/habitat: terrenos siliciosos, arenosos ou cascalhentos, húmidos, frequentemente em locais temporariamente encharcados ou inundados, a altitudes até 1700m.
Floração: de Março a Setembro.
[Locais e datas: Serra da Arada (S.Pedro do Sul); 23 - Agosto - 2017 (fotos 1 a 5); 16 - Agosto - 2017 (fotos 6 e 7);   S. Miguel de Acha (Idanha-a-Nova): 10 - Abril- 2015 (foto 8)]