terça-feira, 17 de abril de 2018

Brassica tournefortii













Brassica tournefortii Gouan
Planta anual, algo híspida, com raiz aprumada; caule com 30 a 100cm de altura; folhas inferiores profundamente divididas (penatissectas), (com 3 a 10 segmentos laterais e um outro terminal) dispostas em roseta mais ou menos densa; folhas caulinares, raras; flores com pétalas tingidas de amarelo pálido, agrupadas (10 a 35) em inflorescências em cacho; frutos (síliqua) com 6 a 12 sementes em cada lóculo e sem ou com sementes (até 2) no rostro.
Tipo biológico: terófito;
Família: Brassicaceae / Cruciferae;
Distribuição; nativa do Sul da Europa e do Oeste da Ásia, mas naturalizada em várias outras partes do globo.
Em Portugal ocorre apenas no território do Continente, onde também não parece ser muito comum. Em todo o caso há registo de ocorrências da espécie, na Estremadura e na Beira Litoral.
Ecologia/habitat: terrenos arenosos no litoral ou próximos do litoral, a altitudes até 400m.
Floração: de Janeiro a Março.
(Local e datas: Costa da Caparica - Almada; 29 - Janeiro / 20 - Março - 2018)

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Erva-toira-ensanguentada (Orobanche gracilis)











Erva-toira-ensanguentada * (Orobanche gracilis Sm.) 

Tal como as demais espécies do género Orobanche, a O. gracilis é também desprovida de clorofila e, como tal, é obrigada, para se desenvolver, a parasitar outras plantas - as chamadas "hospedeiras".  No caso da O. gracilis as hospedeiras são da familia das leguminosas (Fabaceae) designadamente as espécies lenhosas da  família, com destaque para as pertencentes aos géneros Retama e Cytisus.
Tipo biológicoEpífito; Geófito.
FamíliaOrobanchaceae;
Distribuição: Sul, Centro e Leste da Europa. Em Portugal ocorre em quase todo o teritório do Continente. Ausente quer do arquipélago da Madeira, quer do arquipélago dos Açores.
Ecologia/habitat: matagais e bermas de estradas e caminhos em que ocorram as espécies parasitadas, a altitudes até 2000m.
Floração: de Março a Julho.
* Outros nomes comuns: Pútegas-de-raposa; Rabo-de-raposa-fina.
(Local e data: estrada nacional 2, entre Sardoal e Abrantes; 11 - Abril - 2018)

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Triglochin barrelieri










Triglochin barrelieri Loisel.
Erva perene que pode atingir até 35 cm, com um "tuberobolbo" fibroso com numerosas raízes dispostas em forma de cabeleira e do qual emergem  4 a 7 folhas com limbo linear, semicilíndrico na metade inferior e cilíndrico na parte superior e 2 a 7 inflorescências pedunculadas em forma de espiga ou cacho com 8 a 57 flores hermafroditas; frutos aproximadamente cónicos com 3 mericarpos.
Tipo biológico: Geófito.
FamíliaJuncaginaceae;
Distribuição: Região Mediterrânica e Oeste de França. Em Portugal ocorre, pelo menos, no Algarve, Baixo Alentejo, Estremadura e Beira Litoral.
Ecologia/habitat: terrenos de sapal; margens de lagoas e charcos de água salgada ou salobra na proximidade do litoral.
Floração: de Fevereiro a Junho.
[Local e data: Estuário do Tejo (Ponta dos Corvos - Seixal); 24 - Março - 2018]
(Clicando nas imagens, amplia)